Diário de maternidade: o primeiro trimestre da segunda gravidez

15/10/2017

 

E lá vamos nós aqui falar sobre o primeiro trimestre da minha gravidez. Antes de começar a escrever fiquei pensando o que falar sobre ele, já que eu já fiz um post sobre o tema na gravidez de Letícia. Mas, quando comecei a pensar no que ia digitar, percebi o quão diferente é a primeira gestação da segunda – em absolutamente TUDO! Então, tudo isso acaba sendo muito novo para mim também!

 

Na primeira gravidez tudo é ansiedade, medo e alegria: é uma confusão de sentimentos quase inexplicável. Já a segunda é mais tranquila, serena e por quê não dizer: madura! Sim, madura pois já não sou mais a mesma pessoa de antes, agora já sou mãe e isso muda TUDO na vida de uma mulher!

 

Posso dizer sem sombra de dúvidas que dessa vez restam poucos momentos de ansiedade, e as dúvidas que ainda assolam são tratadas de maneira mais relax e calma. Me sinto mais segura e mais preparada, muito embora, claro, fique assustada com a ideia de ser mãe de duas e acabar não dando conta. Sim, tenho meus momentos frágeis, sou humana, sou mãe, me cobro e quero dar o meu melhor para minhas filhas. Mas aí eu paro, respiro, penso que eu dei conta até agora, que houve dias mais fáceis e outros mais complicados, mas que tudo se resolveu. E aliás, essa é uma frase que meu marido costuma dizer muito, e eu tenho aprendido muito com ele.

 

Bom, e sobre a gravidez em si? Os 3 primeiros meses são sempre os mais delicados e por isso mesmo eu mais uma vez aguardei para revelar em público. Esperei a ultrassom das 12 semanas, me resguardei, pois assim me sinto mais tranquila e de alguma forma acho que é o certo a se fazer. A gente tem que seguir nossos instintos né?

Mas vou contas a vocês: foi difícil, porque eu enjoei MUITO dessa vez. Agora MUITO, MUITO mesmo gente! Cheguei até a vomitar 1x, e é tão ruim… Nossa! Eu enjoava demais e tinha uma fome de leão! De verdade, eu queria comer tudo o que via pela frente… na primeira gravidez eu não senti nada disso, foi muito mais leve. Eu tinha uma fome absurda e depois que comia, ficava enjoadíssima. Tive que recorrer a remédios – que eu nem gosto de tomar – mas são indicados e liberados pela médica, e se fizeram necessários naquele momento. Não gosto de falar de medicamento aqui, mas como já sei que vão me perguntar, eu tomava o Vonau de 8mg sublingual, já que o Meclin não adiantava de muita coisa. Tudo receitado pela minha obstetra dra. Karina Bringel (consultem as suas médicas, hein meninas?)

Foi naquela época também que procurei logo minha nutricionista, dra. Eneide Sette, para que começássemos logo com meu plano alimentar de gravidinha. Lembro que eu liguei pra ela e pedi para agendar uma consulta urgente, dizendo que eu estava comendo até as paredes! Haha

Mas aí veio o 3o mês e as coisas foram melhorando… lá pela 14a semana meus enjoos passaram quase totalmente, a fome louca sumiu e eu fiquei mais disposta. Ah, lembrei agora que nessa gravidez também não tive um sono maluco que as grávidas dizem sentir… nem nessa nem na primeira gravidez. Deve ser porque sou agitada e proativa por vida, sei lá rsrs

 

Uma grande diferença que estou sentindo nessa nova gestaçãoo é que estou – de fato – mais cansada do que na primeira. Não tenho sono, mas me sinto muito cansada no fim do dia. Mas isso sei que se deve ao fato de que eu continuo trabalhando mas quando chego em casa não vou descansar como da primeira vez: agora vocês sabem que tenho uma bebêca de 1 ano e 5 meses que é mega ativa, ama brincar e está naquela fase de descobertas. E eu, claro, quero descobrir tudo junto com ela, então ao invés de descansar eu estou sempre brincando com ela. É muito maravilhoso, mas é cansativo mesmo. Fora que as noites não são 100% ,né? Letícia ainda acorda de vez em quando 1x para tomar um leite, e aí meu sono é interrompido porque eu SEMPRE acordo junto. Ela dorme no quartinho dela desde que chegou em casa, mas eu acordo todas as vezes que ela acorda. Então também já não tenho um sono tranquilo… mas, é vida de mãe né? Fazer o que?! Rsrs

 

 

Putz esse post vai ficar IMENSO… haha Mas ainda tenho muita coisa para falar! Lembrei agora que muita gente me perguntou como eu soube que seria mãe de mais uma menininha assim, tão cedo, pois já anunciei a gravidez dizendo que minha Luiza chegaria. Na verdade eu fiz como na primeira gestação: o exame de sexagem fetal, que é um exame genético, particular, que se faz através do sangue da mãe. Ele dá quase 100% de certeza quanto ao sexo do bebê, mas no meu caso também foi confirmado pela ultrassom de 12 semanas, com minha querida médica Dra. Maria Amélia Rangel.

 

Hoje estou com 20 semanas –  METADE da gravidez, acreditam? Gente, a segunda passa muito mais rápidoooo, alguém sentiu isso também? Há alguns dias tive que ficar em repouso pois tive um pequeno sangramento que me tirou de tempo, mas graças a Deus já está tudo bem e eu voltei à vida normal, só com a ressalva de ser vida normal “light”, ou seja: evitando muito salto, pegar peso, subir escadas e fazer exercícios por enquanto. Tudo ok para mim, menos o fato de que não posso pegar Letícia no colo tanto quanto eu queria e estava fazendo, e isso realmente é o que tem pesado mais para mim. Me sinto muito triste quando ela estende os bracinhos no chão e eu não posso pegá-la, tenho vontade de chorar mas penso em Luiza, sento e peço a alguém que coloque ela no meu colo… Tem sido o jeito. Mas sei que vai passar!

 

Quanto ao enxoval, quartinho e todas as outras mil coisas confesso que ainda não comecei a preparar NADA. Essa é outra diferença da primeira gravidez: a gente fica menos ansiosa e agora já sabe de fato tudo o que vai precisar, então fica mais tranquila. E também tem o fato de que eu ainda tenho muita coisa de Letícia e que vai ficar para Luiza. Eu doei muitas outras coisas também, mas outras tantas ainda estão guardadas e bem preservadas – eu ia até colocar algumas peças no meu bazar solidário que faço todos os anos, mas agora preciso reavaliar…rsrs

 

Por fim, e não menos importante, quero dizer a vocês que nesta gravidez estou tomando o anticoagulante CLEXANE diariamente desde o comecinho, seguindo todas as recomendações médicas para a trombofilia. Mas sobre esse tema quero fazer um post especial, pois tem muitas grávidas que têm dúvidas e eu quero falar sobre o assunto. Então em breve falaremos sobre as “picadinhas de amor”, ok?

 

 

Bom e por enquanto é isso, já falei demais… hahaha Nem sei se alguém conseguiu chegar até aqui o final, mas espero os comentários e dicas de vocês para as mamães de segunda viagem. Inclusive como fizeram com bebês com idades tão próximas: se colocaram os dois no mesmo quarto, como era a rotina, se contavam com a ajuda de mais alguém, como ficaram as noites, o ciúme, como fazem para se dividir entre os dois… nossa são tantas dúvidas, né? Preciso fazer um outro post sobre isso também… rsrs

 

Beijos, Rê e Lu

Uma resposta para Diário de maternidade: o primeiro trimestre da segunda gravidez

  1. MARIELZA diz:

    Bom eu li ate o fim ,rsrsrs (e adorei o seu relato)Te desejo que como foi com a chegada de Leticia seja com a de Luiza (o amor so aumenta). do mesmo sera com luiza e leticia elas sao irmas e vao se amar muito
    Beijo para as 3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *